Tour to Nepal

November 30, 2020

Amazing authentic treks- trekking agency nepal, base camp trek, base camp, Everest, annapurna, langtang, Manasalu base camp, lumba sumba pass, Upper Mustang Tiji festival by jeep safari, Saribung pass trekking, Teri la Mesokontala pass and Dhaulagiri, gokyo valley everest, Island peak, lobuche peak climbing

We are kathmandu base adventure company that offering various types of adventure activities in Nepal, India, Bhutan and Tibet like, Trekking, Peak Climbing, Sightseeing, Safari tour, White river rafting, Jungle walk, Canyoing, Canyoning, Paragliding, Bungy jump, Mt. Flight etc and many more.

Subida ao Monte Everest, Primeiro Dia

Era 18 de fevereiro, 7h30min de uma manhã fria e o sol despertava no alto das montanhas do Himalaia quando sai da tranquila Pokhara e segui de ônibus em direção a Kathmandu, a capital do Nepal, percorremos apenas 200 km e levamos mais de sete horas para chegarmos à capital devido às terríveis condições da rodovia, cheias de buracos, curvas sem fim, penhascos e mais penhascos. O governo se preocupa mais em conter a erosão do que construir estradas, e os terraços estão por todos os lugares para garantir o plantio, parece um anfiteatro. Degrau por degrau, adubam e plantam tudo manualmente ou com a ajuda dos animais, é impossível usar maquinário nestas gigantes montanhas.

Meu guia Kul Das Tamang

Na chegada em Kathmandu estava a minha espera o guia Kul Das Tamang, um dos proprietários da agencia www.amazingauthentictreks.com, que de imediato ajudou-me com a mochila, pegamos um triciclo, que faz o serviço de táxi, e seguimos até sua agencia. Ali negociamos os seus serviços ao qual paguei U$ 1.150 dólares, incluindo transfer ao aeroporto, o voo até o Aeroporto de Lukla, hospedagem em guest house, três refeições diárias acompanhadas por café ou chá e o acompanhamento de seus serviços como guia acompanhante.

Kul analisou minha mochila e separou algumas peças como a calça especial para caminhadas, uma jaqueta, uma malha, manta e goro de lã, três camisetas, três cuecas, uma calça tipo abrigo, par de chinelos, toalha de banho, e o saco térmico de dormir.  Atravessamos a rua e fomos comprar outros itens que faltavam, comprei um par de luvas, meias especiais, um par de bastões, cantil e comprimidos com cloro para tratar a água potável que iria consumir na caminhada. Além disso, levei baterias para a máquina fotográfica, meu diário, caneta, sabonete, xampu, creme de mãos anti bactérias, vaselina para os pés, protetor labial, bloqueador solar, lanterna e chocolates. O recomendado é que sua mochila tenha no Máximo 10% do seu peso.
Depois de organizada a mochila para a caminhada, deixei a mochila na agencia do Kul e fui ao hotel, tomei um banho de água fria, pois não tinha energia, fui comer uma pizza e tomei um capuchino, postei fotos na facebook e me despedi dos amigos virtuais e de minha família, informando que estaria ausente por 15 dias, sem acesso a internet, e que estaria a caminho do Monte Everest, e fui dormir.

Check In para Lukla

Acordei cansado, pois tinha dormido pouco, pois o hotel era sujo, tinha barulho de um motor e o medo de não acordar. Cinco da manhã sai do hotel, atravessei a rua e subi os degraus que conduziam até a agencia do Kul. Com a mochila reduzida seguimos de táxi até ao aeroporto, fizemos o check in e ficamos esperando até a liberação do voo. Os vôos só acontecem na parte da manhã devido as condições do vento e visibilidade. Ali ficamos esperando e do nada ouvi o idioma português, eram três brasileiros que viajam juntos há vários meses, como é bom ouvir e poder falar o seu idioma depois de dias tentando falar o inglês.
       
O avião da Companhia Agni Air é bimotor, com capacidade para 17 passageiros, dois pilotos e uma comissária de bordo vestindo seu traje que identifica o povo Sherpa, povo que vive no norte do Nepal na região do Everest. Os pilotos devem ser Sherpas, pois devem conhecer muito bem as montanhas e o clima do local. Levantamos voo do precário aeroporto de Kathmandu e subimos as montanhas, parecia que íamos bater no pico das montanhas, pois ele passa bem perto e de imediato tem o vácuo para a próxima montanha, A sombra do avião aumentava e diminuía no solo, fomos a 11.500 pés de altura e em determinados pontos estávamos somente a 400 pés do solo, sensações de medo e adrenalina misturavam com a alegria proporcionada pelos brasileiros, que riam de tudo e um deles gritou, “esta merda vai cair” e seguia dando gargalhadas.

Nosso embarque rumo a Lukla

Por uns quarenta minutos fomos cruzando montanha por montanha, ao longe avistamos o pico do gigante Everest, meu sonho estava a vista. A emoção aumentou quando avistamos o Aeroporto de Lukla, considerado o mais perigoso do mundo por estar no platô da montanha a 2.800 metros acima do mar, a pista tem apenas 460 metros de cumprimento por 20 m de largura, tem inclinação de uns 12% e no final da pista encontra-se o paredão rochoso da montanha, que há dois anos um avião não conseguiu frear a tempo e explodiu sem deixar sobreviventes, a maioria composta por alemães. Lembrei dos pousos dos porta aviões, porem aqui a margem de erro é zero, arremessar é impossível. Aos que querem chegar ao Everest sem ser via este aeroporto a opção dois é chegar a pé, que deve levar pelo menos uma semana.
Pista do Aeroporto de Lukla, notem a inclinação
 
Ufa, depois da primeira emoção do dia, seguimos junto com os brasileiros Mario, Marcelo e Rogério e fomos tomar o café da manhã, vimos outros pousos no inclinado aeroporto e na sequencia começamos a caminhada pelas trilhas, seguimos por quatro horas passando por vilarejos, mani stones ou pedras com mantras budistas escritos pelos monges e que você deve sempre passar pelo lado direito, mesmo que seja o caminho mais difícil, homens mulas passavam com 40 a 50 kg em suas costas, além de burros e búfalos carregando botijões de gás, galões de combustíveis, sacos de cereais, alimentos, tabuas, etc. Almoçamos em Phakding um pequeno vilarejo a 2.682 metros de altitude, os brasileiros seguiram a frente pois só tinham quatro dias para conhecerem a região, não iriam até o Everest e nós ficamos ali hospedados e começando a aclimatização que deve ser lenta.

Mantra Budista O guia passou algumas recomendações e que eu ficasse atento para os sintomas do Mal da Montanha, que se não for cuidado pode levar a óbito com edema cerebral ou pulmonar. Ele explicou que mesmo cansado e sonolento que eu não dormisse durante o dia, além de evitar bebidas alcoólicas, cigarros e procurar não fazer exercícios forçados. Os principais sintomas do Mal da Montanha são fortes dores de cabeça, principalmente na testa e na parte superior, falta de apetite, náuseas seguidas de vômitos, confusão mental, problemas de memória, tonturas e a ponta dos dedos ficarem brancas.

Segui as recomendações e ali fiquei relaxando ao sol até a hora do jantar, troquei algumas palavras com um nativo de nome Dashain, procurei tomar bastante água e chá de gergelim e limão, a hidratação é fundamental e o corpo aos poucos vai se aclimatizando e criando uma maior quantidade de glóbulos vermelhos conforme aumentar a subida. Durante o jantar ao nosso lado um casal de Coreanos que estavam com calafrios e dores de cabeça, comiam sem vontade e do nada começaram a vomitar. O guia comentou que estavam com os sintomas do Mal da Montanha. Após o jantar, tomei banho e fui dormir, pelo vidro da janela avistava a enorme quantidade de estrelas.

Namastê!  O Deus que há em mim saúda o Deus que há em você.

Obrigado por me acompanhar nesta aventura ao Everest e por compartilhar com seus amigos.

About More Recommend click here : http://www.meulimite191paises.com/2013/03/subida-ao-monte-everest-primeiro-dia.html

Mauro César Noskowski

Brazil

Pay for advance booking
Other Amount:
Your Email Address: